Ética nos negócios, insídia ou realidade?

Refletir sobre as motivações que estão conduzindo as empresas a adotar um posicionamento mais claro em suas práticas de negócio pode auxiliar na compreensão e aceitação da atual gama de consumidores. Isso se deve também ao delicado relacionamento entre as organizações e a sociedade, por meio da imposição de regras e princípios aceitos pela coletividade.

Ética não é uma obrigação, mas, como bem sabemos, durante anos, no mundo dos negócios, esta política trouxe recheios de formalidade e muito conceito, afastando a prática diária e preventiva nas mais diversas situações no ambiente empresarial. A antiga justificativa para estas desconfianças pode ser encontrada pelas questões que envolviam o mundo dos negócios há muitos anos: a lei da selva, em que todas as tentativas de sobrevivência aconteciam em um meio de concorrência muitas vezes pesada e desleal. Hoje, existe uma intensa força nas relações entre empresa e sociedade.

Códigos de conduta, regulamentos, responsabilidade social, políticas, contratos e boas lideranças, são exemplos que podem aproximar sua organização da sociedade. Logo a contribuição da empresa para com esta segue em sua própria essência, como bem afirmava Benjamim Franklin: ” um bom pagador é senhor da bolsa alheia”; em se tratando da ética, é ela quem deposita no bom comportamento a continuidade e fidelização dos negócios, afinal, quem age fora dos padrões éticos estabelecidos não só gera desconforto para aquele que o vê, como também se abre livremente a um julgamento negativo pela ação não aprovada, o que enseja na reprovação imediata.

Tudo isso pode nos levar a crer que nenhuma empresa sobrevive sem ética e é uma pena que muitos empresários tenham esquecido as premissas básicas que norteiam o mundo dos negócios. Se a sua empresa está preparada ou não para essa exposição de “bons conceitos”, ou se você nunca se perguntou quando foi que a ética se tornou tão importante, aí teremos um dilema, pois se ao colocamos a frente apenas a existência da empresa, mas sem as bases que a sustentam dentro e fora de sua área, infelizmente estaremos fadados a arrastar uma insídia constante, esperando apenas uma fragilidade para desabar.

Ética é um instituto de sobrevivência, afinal, valores, integridade e responsabilidades jamais deveriam ser vistos como utópicos e sim como uma missão de toda e qualquer organização.