Por que a tecnologia define o vencedor

Definitivamente, não foi dos anos 2000 para cá que a tecnologia começou a fazer parte irrevogável de nossas vidas. O smartphone, que hoje é indispensável para os negócios, surgiu há pouco mais de 10 anos, os aplicativos de serviços têm menos tempo ainda e muitos deles serão obsoletos em poucos anos. A transformação tecnológica é tão abrupta que os mercados se criam, de uma hora pra outra, sem nem mesmo avisar o que aconteceu. Simplesmente acontece.

A terceira revolução industrial, iniciada na década de 70, clamou por tecnologia para conseguir atingir de forma ampla a globalização, principalmente com o movimento do Toyotismo, trazendo importantes conceitos que, até hoje, são utilizados como padrão nas empresas, como a cooperação, a coparticipação e a terceirização de serviços, o que dá uma apimentada na vantagem competitiva das empresas.

Um economista que admiro, há mais de 70 anos já falava que a competição é mais acirrada em empresas de grande porte, pois essas têm maior capacidade para inovar e investir em tecnologia, inclusive para resistir às adversidades dos mercados. Schumpeter afirmava que a tecnologia era o “motor” do desenvolvimento capitalista, isso que a obra que traz essas afirmações é de 1942.

Incontestavelmente, a afirmação é - muito - atual. Não só pelo fato de abordar algo tão relevante nos dias de hoje, como também algo que é (ou deveria ser) óbvio às empresas: se não há tecnologia, não há competição. Esse é só mais um fato inexistente no planejamento (inexistente) da maioria das PMEs do Brasil. Voltando aos dados estatísticos, 25% das empresas pequenas e médias que iniciam suas atividades, as encerram em até 24 meses por falta de planejamento.

Mas o que o planejamento tem a ver com tecnologia? Tudo.

Mesmo que haja planejamento, se ele estiver sendo projetado para o mercado analógico, não dará certo. Hoje, sem sombra de dúvidas, o processo digital é a mudança mais difícil das PMEs, pois ainda existe bastante resistência em aderir aos sistemas de informações digitais. Para citar simples contribuições, apenas o ganho de comodidade e eficiência nos processos e a centralização de informações, através de ERP já é “A” inovação, para empresas que ainda usam (e pode apostar que usam) cadernos e blocos de papel para controles de gestão.

Então quer dizer que se minha empresa não tem tecnologia vai fracassar? Não.

A tecnologia é um processo contínuo, irreversível. Tu podes iniciar a qualquer momento a inserção de tecnologia no teu negócio, seja ele qual for. A utilização de planilhas no Excel já é um grande avanço para gerenciar teus indicadores financeiros e tomar decisões mais assertivas.

Eu bato na tecla do planejamento sempre. Um dos problemas mais antigos no mundo dos negócios e, principalmente das empresas familiares do Brasil, é a capacidade do gestor em enxergar além do que os olhos veem, sem considerar variáveis indiretas à sua empresa. O mundo sofre inserção tecnológica, constantemente.

O que tenho por certo, é que para melhorar tua tomada de decisão nos negócios e para ter uma consciência clara dos indicadores financeiros, a tecnologia deve estar presente no dia-dia da tua empresa.